terça-feira, 29 de novembro de 2005

LAR, VIANDOU-SE

(LA VIE EN ROSE)
Edith Piaf

Dez "eu" que vão benzer limão,
Henrique (seu pé se escabiche),
Vou a lá, lhe importa se o reto urge?
Deu-lhe o homem, ou quer já partir tão
Cão, tio meu, medonha zebra:
"E o meu paletó, pá?"
Jejuar lá a vi: são roxas
E medi: demora muito
Demoras tu, leso
A içar fé, que é que queres hoje?
Se é Luís pro mar, o mar pro Luís, dão navios
E mela de mar, jurei: pular vi ele
E ela, à hora, me há persuadido
"Manque, eu que pago!"
Demora, muro, a proferir
Angra é um bom negro pra um sapato
Vocês me chagarão se eu faço
Arrrulha, arrulha!
Ah, não morri!
Cão, tio meu, medonha zebra:
"E o meu paletó, pá?"
Jejuar lá a vi: são roxas
E medi: demora muito
Demoras tu, leso
A içar fé, que é que queres hoje?
Se é Luís pro mar, o mar pro Luís, dão navios
E mela de mar, jurei: pular vi ele.

Tradução simultânea de Mark Tindo.

sábado, 26 de novembro de 2005

TRATEI-TE MAL

(TRA TE E IL MARE)
Laura Pausini

Nu no pior agouro de ter
Tudo em minha vida aceito
Vivo e respiro que lasso que
Que consumo, mente e cerviz
Não posso pular o ribeirinho
Tratei-te mal
Não posso por restar enferma
Atrás de estar
E o que havia assunto de ter
Nem lata na estrada chutar
Sola mas com o instinto de que sapato
Só lama por sempre contê-la
Não posso pular o ribeirinho
Tratei-te mal
Não posso por sentir-me estancada
Espetada
Não, amor é “não”
E não chistar
O retorno é resto e lida
Não vivo por
Não sonho por
Por baús, ratos, amigos
Amor eu não te quero que
Hoje volta o que eu mais via
Mil júris querem me humilhar
Prefiro o risco tardio
Chego de noite em onde estrela o teu reflexo
Mas tudo que a mim não basta deixo crespo
Não amor eu não
Ele não chistou
Hoje volta o que eu mais via
Mil júris querem me ultimar
Prefiro o risco tardio

Tradução simultânea de Mark Tindo