sexta-feira, 22 de setembro de 2006

DONA ZICA REGRESSA DO HADES

Um segundo pode significar tanto no pensamento... Ocorre-me relatar um incidente, outro dia, noutro lugar (há muito tempo, numa galáxia muito, muito distante), quando estava eu à frente da televisão e ouvi a apresentadora iniciar uma notícia de forma inusitada, que logo pôs-me tenso.

"Dona Zica da Mangueira faleceu dois dias atrás..."

Oras, para anunciar uma morte com quarenta e oito horas de atraso, havia que ser uma notícia assaz extraordinária, das cabeludas o suficiente a fazê-las dignas de anúncio após tanta posterga. Tinha de ser algo do gênero:

"Dona Zica da Mangueira faleceu dois dias atrás, mas voltou das profundezas do Hades..."

Nunca fui fã da pobre finada fundadora da escola da Mangueira que, apesar do nome, não ensinava bombeiros, nem jardinagem, nem churrascos, mas desfilava samba no Carnaval, outrossim conhecida por verde-e-rosa (quem lembra do agourento enredo "atrás do verde-e-rosa só não vai quem já morreu"?). Mas naquele segundo de pausa nada disso importava, entretanto as possibilidades que se desenrolavam na minha airosa cabeça ouriçavam-me a imaginação a pensar na continuidade daquela nova sem precedentes na história da televisão. Talvez seguisse assim:

"Dona Zica da Mangueira faleceu dois dias atrás, mas voltou das profundezas do Hades e está aqui nos nossos estúdios para conceder uma entrevista exclusiva..."

Seria o furo do século! O que será que falaria a nossa ex-saudosa em rede nacional (quiçá internacional) de seu inesperado retorno do sono eterno? Quais teriam sido suas razões para tal? E se fosse qualquer coisa como:

"Eu estou chegando agora do Hades, porque não gostei de lá, muito quente.. muito desconfortável, lotado, fui muito mal-tratada logo na entrada, não gostei, certo? Fui a muito contragosto, certo?"

Para quem não sabe, dona Zica da Mangueira era casada com Cartola que, apesar do nome, não era nem mágico ilusionista, nem trabalhava em confeitaria, nem exercia influência no futebol, mas era músico. E se o tivesse por lá avistado? E se a apresentadora lhe perguntasse acerca de quem havia encontrado nas trevas inferiores?

"Quem eu vi foi aquele Bim Ladem. Disse até que estava muito insatisfeito com a qualidade da programação da televisão brasileira e por isso ia era jogar uma bomba na Casa Branca".

E nisso fui devaneando.. o segundo seguinte veio a revelar que a notícia era bem diferente das minhas ideias (a ser sincero, já nem me recordo bem do que se tratava), mas quem se importa? E continuei a imaginar: quem sabe que outras personalidades já partidas fariam seu retorno triunfal do poço do abismo? Talvez um Ulysses Guimarães, ou quem sabe Amália Rodrigues, ou podia ser Carlos Alberto (deputado federal, seu número é 2507, quem não repete? 2507.)

O que não se pensa em um segundo...

Mark Tindo escreveu tudo em um segundo.

7 comentários:

Claire disse...

Dona Zica morreu?!

mr m. disse...

mulher, melhore.

Claire disse...

Foi uma piada...
Mas ninguém riu... Ok...rs

mr m. disse...

é que nós tamos rindo internamente.

Claire disse...

Seu sem-graça!

Claire disse...

Seu nome tá aqui, ó: [link]http://usodiario.blogspot.com/2006_05_01_usodiario_archive.html[/link]

Ei, deixe de guerra, é pra voltar, viu?
rs

Anónimo disse...

mar mininu1
retornou mesmo do hades com esse texto recapitulado agora citando bin ladem

faltou falar do aiatolá ecumencio numa parafrase propria, coisa de escritor chique.

Danina