sexta-feira, 10 de novembro de 2006

FINAL ALTERNATIVO Nº 3

Antes que Filadélfia se aproximasse mais, Jerônimo virou-se para ela e fez-lhe gesto de entregar a garrafa já aberta. Sem saber muito bem o que dizer ou fazer, ainda estupefata com o súbito sucesso, e com uma certa quantia de reticência, Filadélfia parou e permaneceu de olhos fixos no objeto que lhe estendia Jerônimo, este com uma expressão repentinamente mais sisuda do que aquela a que ela se acostumara.

"Lê aí", disse.

Lançando um olhar desconfiado aos olhos dele, que pode ter durado alguns segundos, nos quais ela tentou decifrar o que se passava, ergueu a mão e recebeu a garrafa. Ainda hesitante, retirou o papel de dentro para o desenrolar.

Tão logo vislumbrou a imagem, lançou ambos, garrafa e papel ao chão, ecoando no barulho dos vidros partindo o grito aterrorizado que ela dava, no mais alto da sua voz.

Tudo estava claro agora, todo aquele comportamento estranho dele durante aquela viagem. Pisando os cacos e a fotografia do cadáver do verdadeiro Jerônimo, que aqueles ainda há pouco escondiam enrolada, este familiar estranho, foi-se chegando à pobre Filadélfia, que recuava, assombrada e ainda aos prantos. Disse ele, então, numa voz que agora pareceu a ela absolutamente desconhecida:

"Eu precisei... foi pra te ter pra mim... ele sempre me tirou tudo... desta vez fui eu a roubar-lhe o que era mais precioso..."

"Quem... o que...?"

"Eu sou Jerôncio, o irmão gêmeo que ele nunca te apresentou, mas que sempre esteve por perto. A garrafa... esse mistério... foi a melhor forma que encontrei pra contar. Precisava dessa distância... de estarmos só nós..."

Filadélfia, atordoada dos sentidos pela revelação estarrecedora, já não sabia o que dizer, nem como reagir, além de chorar e menear a cabeça, ela ali, sozinha, a milhões de milhas de todos os lugares habitados, à mercê deste psicopata assassino.

"Tudo vai ficar bem, somos só nós agora", disse-lhe ele, em tom ameaçador.


(primeira parte do texto)

2 comentários:

Claire disse...

kkkkkkkkkkkkkkkkkkk

Ainda prefiro o segundo.
O que é ter um irmão gêmeo, não é mesmo, minha gente?

Te avistei no Midway...

mind disse...

hehe, k mano maluko!
pois eh as greves sao mto mal sinal...
*s