segunda-feira, 4 de dezembro de 2006


"Ah, não, não é assim -- não assim", interrompeu o monstro. "Ainda que seja essa a impressão que lhe dá o conduzir das minhas ações. Porém eu não procuro complacência na minha miséria. Nenhuma simpatia eu hei de encontrar. Quando primeiro eu a busquei, foi o amor à virtude, os sentimentos de felicidade e afeição, com que todo o meu ser transbordava, do que eu quis ser partícipe. Mas agora que a virtude se me tornou uma sombra, e que a felicidade e a afeição se tornaram em amargo e odioso desespero, no que buscaria eu por simpatia? Eu me contento com sofrer só, conquanto durem os meus sofrimentos; quando eu morrer, estou bem satisfeito que a abominação e o opróbrio devem carregar a memória de mim. Outrora o meu anelo acomodava-se em sonhos de virtude, de fama, de júbilo. Outrora eu desejei em vão encontrar seres que, perdoando a minha forma externa, me amariam pelas excelentes qualidades que eu era capaz de demonstrar. Eu era nutrido por altos pensamentos de honra e devoção. Mas eu estou só."

4 comentários:

mind disse...

axo k os outros k n amaram o monstro pela sua aparencia, sao mais monstro do k ele!
boa semanita =)

as velas ardem ate ao fim disse...

Não etas so..eu estou contigo!

Beleza....não sei o definir...esta nos olhos de que vê...

Bjinhos

Anónimo disse...

Frankenstein, vc tem algum parentesco ocm o Michael Jackson?


:P

Gleidson disse...

Poxa rapaz quem mandou vc colocar minha foto ai? gostei não eu vou querer direitos autorais e ainda mais foto nú kkkkkkkk se cuida fio