domingo, 26 de outubro de 2008

INTERPRETAÇÃO SOBRE A INTERPRETAÇÃO QUE, TENHO PRA MIM, TIVESTE PRA TI

Oi, vens sempre aqui?
Se eu soubesse que vinhas, tinha pelo menos escrito coisas novas. Sabes o que é engraçado? Aquele texto nem era sobre ti. (E impressiona como foi fácil acreditares num texto que não era teu e tão difícil num que era.) Era um texto antigo: desde o dia 4 de Setembro não há textos recentes aqui — a maior parte desde então nem é da minha autoria. É que este blogue se tornou a minha caixinha de areia, e eu não mando mensagens anônimas por ela, só ponho o que me vai à alma ou me revém à mente. Eu costumo enviar (enviar mesmo) pras pessoas sobre as quais eu escrevo os textos que eu escrevo sobre elas, penso que já te disse isso. Mas bem, aquele não era pra ti; eu só escrevi um texto pra ti, e sabes bem que ele era verdade, mesmo que já não seja tanto. Da ancianidade do texto, só tenho de prova a data de modificação do .txt no meu computador (7 de Novembro de 2006; se quiseres ver, posso fazer printscreen) e a parte em que fala dos "segredos" (que, até onde me lembra, nunca me contaste nenhum). Mas eu não tenho provas pra te fazer acreditar nessa última, infelizmente. De toda forma, tranquilo, eu não quero nada de especial. Só não vejo nenhuma boa razão pra não sermos amigos (embora talvez agora tu vejas, pelos motivos errados, infelizmente).
Bom, eu posso também ter-me enganado e estar falando de conclusões errôneas que tive sobre um texto que pode não ser pra mim e, se for o caso, peço perdão. E, pra não deixar de ver um lado bom nisso tudo, a última parte do texto que não é teu fica válida pro caso presente: eu não intenciono desaparecer deixando as coisas deste jeito. Se é pra não nos falarmos mais, que não seja com ódio nem palavras tão inflamadas - quanto a mim, não guardo rancores teus e espero algum dia resposta tua.

(Penso que há anos não tinha escrito um texto tão claro. Mas é que não quero deixar margens pra mais interpretações errôneas.)

1 comentário:

Ve Barbosa disse...

Talvez eu devesse escrever esse tipo de coisa, vez em quando.

Bjos, amigo.

;o)