quarta-feira, 22 de outubro de 2008



teu pulso é tão tênue e fraco a lutar
cansado de guerra, tão falto de ar
tu feres-te fácil sem pra onde voltar
e ninguém à espera de ti
e ninguém à espera de ti

Sem comentários: