quarta-feira, 31 de dezembro de 2008

O MENINO DENTRO

O que foi feito de mim?
Com a cara redondinha e pálida
Menos seguro mas
Mais forte, às vezes sem grande humildade
Que dormia nas carteiras da escola
Que não sabia dar nó à gravata
Que de lutar às vezes me cansava
Mas pra pensar eu tinha sempre tempo
E agora não
Agora não
Agora eu olho-me assinto e digo:
"não estou mais dentro de mim, não estou
nunca mais".
E eu aperto tudo a unhas e dentes
E pra não me descobrir dou um passo atrás
e outro atrás
e outro

O que foi feito de ti?
Como podes já cansar de dizer
O que nunca me disseste?
Tu que conheces com sincera humildade
A versão integral de mim
De que tens ciumenta custódia
E provas daquela absurda ironia
Vontade louca de ir embora
Mas tornar a casa
Mas eu te olho, assinto e digo:
"não entre mais dentro de mim, não entre
nunca mais.
não me fira mais".
E tu nem mesmo te rebelas
Não discutes e te resignas
Ajuda-me
Eu rogo

Escavaca a ponte entre mente e amor
Alívio duma extrema dor
Orgulho dentro um mar imenso
Pra compreenderes que em ti penso
Que sofro por amor intenso
Que jogo ainda com o vento
Mas não encontro mais
O menino dentro
Que rio ainda sem sentido
E navego distraído e atento
Ingénuo mas com a cabeça
O tudo, o nada.. o sempre, o basta!
Que eu tou aqui
Pra me achar
E peço ajuda a ti
Pra me encontrar enfim

1 comentário:

Anónimo disse...

docemente angustiante.