sábado, 3 de janeiro de 2009

DIVERSAS MANEIRAS DE MORRER TENTANDO

Sol do Pacífico, devias ter-me avisado
como fica
frio aqui
que a noite congela antes de se fazer fogo
as chamas vão-se desapercebidas
diminuídas
apagadas
logo que acesas
e eu sigo
intrigado
eu sigo
invisível
apesar de quanto
gritei
quanto bradei
me note
me veja
me leve consigo
porque hoje todos os meus clamores encontram ouvidos surdos

Queimaram-me a ponte que à liberdade dá
moeram-me o coração mentiras más
fecharam-me o caixão comigo lá
mas eu tava
morrendo de vontade de viver

Sol do Pacífico,
devias ter-me avisado
como estas alturas são
vertiginosas
que a subida mata antes da queda
as pegadas vão-se desfazendo
desmaiadas
apagando
logo que marcadas
e eu sigo
intrigante
eu sigo
desejante
eu sou
desejável (?)

apesar de quanto
clamei
vociferei
me beije
me queira
me ame por mim
hoje
o que eu temi me sobreveio
e
tudo o que eu receava me aconteceu

Queimaram-me a ponte que à liberdade dá
moeram-me o coração mentiras más
fecharam-me o caixão comigo lá
mas eu tava
morrendo de vontade de viver

Sem comentários: