quarta-feira, 3 de novembro de 2010

UM POUCO FALTA

Sempre sinto um pouco falta e queria ter-te aqui, cada vez que ouço água e contos, mas já não estás. E me iludo de te ver em transeuntes aleatórios, em espaços que eram nossos. Eu cultivo as tuas rosas em jardins que não há. Eu cultivo os sentimentos como antes. Mas não sei o que aconteceu que não consegues mais falar-me das coisas que me falavam tanto de ti. E se eu continuar e não consumar de novo? Sabes que não tenho mais pretextos pra te ligar, pra te procurar, pra te acercar. E ainda assim, ainda não acredito que não voltes pra mim. E me iludo numa espera que ao menos faz o céu mais sereno, senão o céu cai ― 'Cause I miss you, baby. And I don't wanna lo(o)se you...

1 comentário:

Rodrigo Slama disse...

Romântico, não?
"Eu cultivo as tuas rosas em jardins que não há" é uma prova de lirismo e romantismo...
Gostei do texto...
Mesmo!