quarta-feira, 18 de julho de 2012



Sempre pensei se, na minha hora mais negra e no meu desespero mais profundo, te ias fazer presente, se te ias importar com o meu juízo e a minha tribulação, quando eu passasse pela dúvida, pela frustração, pela turbulência, pelo medo, pela angústia, pela dor e pela tristeza. Eu esperei que me reconfortasses com a esperança de um amanhã. Eu esperei.

Sem comentários: