quinta-feira, 1 de novembro de 2012

SIMPLES

Velho, cansado, incapaz, ainda sem talentos, ainda incompleto e ainda sozinho (sempre sem saber ao certo quem era), já não procurava nada, tampouco esperava muito. Mas importava que ele, que nunca suficiou a si, não tentava mais se suficiar nos outros. Não corria mais; não tinha mais obrigações, nem se impunha mais nenhuma. O seu coração não era mais o mesmo, não sentia que doía mais; às vezes nem sentia que batia mais. Após muito caminhar, sentou-se resoluto, e salvaguardou o seu coração reconfortado do conhecimento de que ser feliz é simples (mas não fácil), porque tudo importa, mas nada é suficiente.

5 comentários:

Anónimo disse...

Talvez esse velho, cansado e incapaz devesse parar de esperar que algo de extraordinário lhe aconteça e começar, ele mesmo, a fazer as coisas acontecerem.

M. disse...

Como, por exemplo, comentar anonimamente nos blogues alheios.

Anónimo disse...

Se não gosta de minhas postagens e do meu ‘carinho anônimo’, tem toda a liberdade para por um fim nisso. É uma pessoa esperta, sabe perfeitamente como acabar com isso.

M. disse...

Não me incomoda, nunca me incomodou. Mas eu escrevo estes textos para mim mesmo, e, na maioria das vezes, só fazem sentido pleno para mim mesmo ou para quem estiver muito próximo. Então será mesmo este o melhor espaço para este tipo de conselho? Se tem algo importante a me dizer, por que não me contata pelo Facebook, já que obviamente me acompanha por lá? Enfim, repito que não me incomodará se continuar como está, mas só penso que isto não nos levará a parte alguma que não aqui.

M. disse...

Mas claro que pode ser que a sua intenção seja só causar sensação e fazer mistério, mas, acredite, não levará a parte alguma do mesmo jeito. Mas pode continuar, eu deixo.