quinta-feira, 18 de abril de 2013

Fortuna te deixou aqui,
pensando descobrir
que nada está por vir;
e nem destino pra traçar,
amores cósmicos a partilhar,
e nada a encontrar
que se possa achar;
porque, com tudo o que já passou,
parece, o estranho és sempre tu:
sozinho, pobre e nu
numa cidade infernal.
Mas, quando não houver opção,
podes ouvir minha canção,
na torpe escuridão
desta cidade infernal.

Sem comentários: