sexta-feira, 26 de abril de 2013

Neste mesmo momento, pela primeira vez, sentiu-se bem. Enquanto ali jazia, apesar de tanta dor, sentiu-se completamente bem. Talvez tão bem como nenhum ser humano já sentira. Exceto talvez por sentir-se um pouco triste pela sua inabilidade em consolar ou confortar a moça que soluçava sobre o seu campo de visão, cujas mãos repousavam sobre as têmporas dele, cujos joelhos, ladeando a cabeça dele, ele ouvia serem arranhados pelo contato com a superfície desigual do asfalto, mesmo através das buzinas histéricas e da parolagem horrorizada dos curiosos. Os faróis apontados para ele encandeavam a sua visão, e ele não conseguia enxergar o rosto dela acima do seu. Ele perguntou-se quantas daquelas gotas seriam da chuva.

Sem comentários: