sábado, 27 de abril de 2013

Uma dor quotidiana muda pari passu ao curso do seu tempo, em proporções diretas (ou inversas) ao liame entre tempo e júbilos perdidos — dúvidas eternas sobre o nexo direto entre os liames e o próprio tempo.

Sem comentários: