domingo, 10 de novembro de 2013

TUDO POR FAZER

Às voltas num mundo em volta dum sol feito como eu, de chuviscos gentis dum fim que recomeça, um novo dia vem e vem-se, vai-se e vai deixando pelo caminho as pedras que apanhou, as flores que recebeu, as terras que abalou, os mares que embraveceu e desbravou, gastando poderes, horas preciosas, sob profundas areias, sobre altíssimas árvores. 
Noite adentro, de luar escuro, em volta duma lua feita como eu, de impactos e cicatrizes, de falta de ar e peso, à margem dos dias que insistem em erguer-se, de espaçonaves enviadas a lamber lábios negros, achar novas terras, novos mares, novos sonhos, procurei sem saber pra além das fronteiras do canto do meu olho.
E tudo permanece por fazer.

2 comentários:

Anónimo disse...

apenas alguns minutos de uma "risada" curta e silenciosa me deram uma vontade enorme de te abraçar! :S

Anónimo disse...

Abraços são sempre bem-vindos. Até de quem não o é. :)